Igreja Universal deve pagar R$ 10 mil por fazer filha enganar a mãe


O juiz Jeová Sardinha de Moraes, da 7ª Vara Cível de Goiânia (GO), condenou nesta sexta-feira (30/11) a Igreja Universal do Reino de Deus a pagar indenização por danos morais e materiais a uma viúva, Gilmosa Ferreira dos Santos. Ela alegou que, por pressão de representantes do templo, sua filha a enganou e doou o carro da família à instituição.

Segundo a viúva, a filha começou a freqüentar a igreja após a morte do pai, em janeiro de 2005. Ela passou a ser pressionada a fazer doações exacerbadas à instituição, sob a promessa de retribuição em dobro.

Após vender todos os seus utensílios e mobílias, inclusive a cama onde dormia, a filha acabou doando o veículo da mãe. Para tanto, fez com que ela assinasse o documento de transferência do carro, sob alegação de que iria vendê-lo e que, com o dinheiro, compraria outro em melhor estado de conservação.

Ao perceber o que ocorrera e tentar reaver o veículo, a viúva diz ter sido maltratada, agredida fisicamente e exposta à humilhação por membros da igreja.

Na sentença, o juiz determinou que o veículo seja restituído imediatamente e que sejam pagos valores referentes a lucros cessantes, depreciação e desgastes do carro. Além disso, ela receberá reparação de R$ 10 mil por danos morais.

Ao analisar o caso, o magistrado entendeu que a má-fé da igreja foi “inconteste”, pois aceitou um veículo de quem não era seu proprietário. Para o juiz, houve “erro substancial” —pelo fato de a mãe ter imaginado estar vendendo seu veículo quando, na verdade, fez uma doação.

“A igreja agiu através de Edilene, a qual disse em juízo, com todas as letras que, vencida pela pressão pastoral, convenceu sua mãe a assinar o documento de transferência do veículo, sob o argumento de que o estava vendendo”, afirmou o juiz.

“Apesar da condição de filha de Gilmosa, Edilene não foi contestada por nenhuma outra prova nos autos, aliás, nem mesmo contraditada, em suas declarações, pelos representantes da igreja”, completou.

O juiz também considerou ter ficado comprovado, por meio de testemunhas, que a viúva tentou reaver o veículo com a igreja e, na ocasião, foi extremamente maltratada e agredida.

“A potencialidade da ofensa se eleva mais ainda ao concluir que ocorreu no interior de um templo religioso, onde, objetivamente, espera-se reinar a paz espiritual”, concluiu.

Fonte: Gospel +

Anúncios

Publicado em terça-feira, 4 dezembro, 07, em Igreja Universal, Noticias nacionais. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: